Mas nada é interminável e o momento logo acabou, pois é essa a natureza da felicidade, acabar demasiado cedo; durar apenas o tempo necessário para que, depois, possa sempre permanecer a dúvida se não teria sido apenas uma ilusão, um delírio, um equívoco.

Serviços mínimos de felicidade, Paulo Kellerman

6 comentários:

Just Things disse...

A finitude das coisas e dos momentos ainda me incomodam
:)

S disse...

sim... penso que a todos nós...

eusouassim disse...

Lá tenho que me lembrar de uma das minhas músicas brasileiras preferidas:

"Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira
Tristeza não tem fim
Felicidade sim"

S disse...

eusouassim,
:)

UIFPW08 disse...

Linda..
Morris

S disse...

Morris,
Obrigada!
:)